17 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 17

EFEMÉRIDES – Dia 17 de Janeiro
Al Capone
(1899-1947)
Nasce Alphonsus Gabriel Capone em Brooklyn, New York-EUA, considerado o maior gangster norte-americano de sempre. Descendente de emigrantes italianos, inicia-se cedo nos gangs de rua. Chefia uma rede de contrabando durante a Lei Seca e acaba por dominar o crime organizado na cidade de Chicago. Conhecido por Scarface, por causa de uma cicatriz na cara, é tido como um homem destemido e implacável. A sua vida e o processo atribulado da sua detenção são inspiração para escritores policiários e também para a indústria cinematográfica.




Grahams S. Moliner (1919-????)
É o pseudónimo adoptado por Graziela Saviotti Molinari. Nasce em Livorno, Itália. Frequenta a Academia de Belas Artes de Brera em Milão. Fixa-se em Portugal em 1939 e exerce a actividade de tradutora, publicista e cenógrafa — trabalha para o teatro Nacional D. Maria II. Publica para a Editorial Gleba (1942-1972), na Colecção Novelas Policiais, o romance policiário A Morte Paira Sobre o Castelo (1948) cujo enredo se desenvolve em Itália.




Roy Lewis (1933)
John Royston Lewis nasce em Rhondda, Glamorganshire, Pais de Gales-Reino Unido. Desde 1969 escreve romances policiários: o primeiro, A Lover Too Many, pretence à série John Crow — um inspector da polícia britânica — tem um total de 8 títulos. Segue-se a série Eric Ward — um polícia que se tornou solicitador —, iniciada com A Certain Blindness (1980) e que atinge o 16º livro Guardians of the Dead, publicado em 2008. A terceira série, Arnold Landonum — um perito em arquitectura medieval e investigador em Northumberland — inicia-se com A Gathering of Ghosts (1982) e tem o 22º livro, Goddness of Death, agendado para o final de Janeiro de 2012. Roy Lewis, que usa também o pseudónimo de David Springfield, tem mais treze romances policiários editados.





John Bellairs (1938-1991)
John Anthony Bellairs nasce em Calhoun County Michigan-EUA. É conhecido pelos mistérios góticos destinados a um público jovem. Os seus livros são protagonizados por Lewis Barnavelt (6 títulos) Anthony Monday (4 títulos) e Johnny Dixon (9 títulos). Escreve ainda os romances The Pedant and the Shuffly (1968) e The Face in the Frost (1969).
O primeiro livro da série Lewis Barnavelt The House With a Clock in Its Walls (1972) é editado em Portugal, em 2006, pela Editorial Presença, nº87 da Colecção Estrela do Mar, com o título A Maldição do Relógio.




UM TEMA — ARQUITECTURA E CONTEXTO DA NARRATIVA POLICIÁRIA – 3
(Suspense)
Na revitalização da corrente dedutiva, a enigmática, por vezes paredes meias, com ela, inclusivamente nela, aparecem as narrativas de suspense: — a arte de transportar a angústia do universo imaginário à consciência do leitor. O elemento policiário, particularmente o detective, desaparece ou é secundário, para dar lugar à ansiedade psicológica. O interesse do leitor deixa de se centrar na pergunta ritual Quem matou? Para Conseguirá o assassino escapar? Pergunta que só o autor habilmente incute com crescente efervescência.
Francis Iles (Anthony Berkeley) dá um primeiro passo em Malice Aforethought (1931)/Malícia Premeditada e em Before the Fact (1932)/Suspeita, sem que se falasse de suspense, mas sim de psicologia. É com William Irish, cujo verdadeiro nome é Cornell Woolrich, que vamos encontrar o real mestre da arte do suspense. Em Irish encontramos a presença da fatalidade; em lugar do detective a vítima ergue-se como personagem central; a vida é vista do lado do acaso; os inocentes são inexoravelmente coagidos a integrar a engrenagem do enredo.
Neste tipo de narrativa, o óptimo mede-se pela dose de angústia real experimentado pelo leitor, pela tensão psicológica e impacto dramático que inocula.
M. Constantino

Sem comentários:

Publicar um comentário