24 de fevereiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 55

EFEMÉRIDES – Dia 24 de Fevereiro
Grant Allen (1848 - 1899)
Grant Allen nasce em Alwington, Kingston, Ontário, Canadá. Naturista, físico, antropologista, jornalista e escritor, tem uma vasta obra no campo da ciência, da sociologia e também dá um contributo importante para a ficção científica e policiária. É considerado um inovador ao criar o Coronel Clay, personagem principal de uma série de contos An African Millionaire publicados no Strand Magazine e mais tarde adaptadas à rádio. Escreve ainda duas séries de contos protagonizadas por mulheres detectives, — das primeiras a surgir na literatura — Miss Cayley's Adventures e Hilda Wade, esta última uma enfermeira que alia a detecção aos conhecimentos médicos.

 



August Derleth (1909 – 1971)
August William Derleth nasce em Sauk City, Wisconsin, EUA; escritor com uma vastíssima obra — 100 contos e 150 livros — em diferentes áreas é também famoso pelo seu trabalho como antologista e editor. Começa a escrever com 13 anos de idade e mais tarde dedica-se à escrita de contos góticos e de terror. Em 1939 funda com Donald Wandrei a editora Arkham House cujo objectivo inicial é a publicação da obra de H.P Lovecraft. Como autor de literatura policiária, Derleth cria o detective londrino Solar Pons, protagonista de uma dezena de romances. Cria ainda as séries Judge Peck e Sac Prairie com duas dezenas de livros. Usa os pseudónimos Michael West, Stephen Grendon e Tally Mason,
A British Fantasy Society instituiu em 1971 um prémio com o nome deste escritor, o August Derleth Award, que distingue o melhor romance do ano no campo da fantasia, ficção científica e horror.




Ralph McInerny (1929 – 2010)
Nasce Ralph Matthew McInerny nasce em Minneapolis, Minnesota, EUA.Filósofo e professor durante 40 anos na University of Notre Dame (EUA). Inicia-se na escrita policiária em 1977 com Her Death of Cold, o primeiro da série Father Dowling Mysteries, que atinge os 30 títulos e é adaptada a televisão. Escreve ainda, sob o pseudónimo Monica Quill, a série Sister Mary Teresa, uma freira que soluciona crimes (10 livros); na série Andrew Bloom o protagonista é em advogado (6 livros); a série Notre Dame romances de mistério passados na Universidade de Notre Dame com os personagens Roger e Philip Knight; (13 livros); Egidio Manfredi um detective do Ohio à beira da reforma (2 livros). McInerny utilize os seguintes pseudónimos: Edward Mackin, Ernan Mackey, Harry Austin, Matthew FitzRalph e o já referido Monica Quill.



TEMA — ESPIONAGEM – AGENTES SECRETOS (1)
Nem se nasce agente secreto, nem o é quem quer. Têm formação em escolas próprias, onde poucos entram e de onde só sai um número reduzido dos poucos admitidos. A selecção exige uma capacidade física excepcional, inteligência, espírito patriótico, conhecimento perfeito de línguas, etc. O treino físico proporciona endurecimento e resistência, as diferentes técnicas de combate são estudadas até ao mínimo detalhe. Ninguém desconfia de um homem se trouxer consigo um simples jornal, um isqueiro ou um molho de chaves no bolso, todavia o agente secreto sabe com facilidade como transformar tais objectos em armas. Uma arma de fogo apontada a curta distância raramente é perigosa quando se está preparado para o desarme ou em 90% dos casos, partir o braço que a empunha. Disparam armas de fogo de todos os calibres e tipos. E preciso ter sangue frio também para manipular misturas explosivas. Nas escolas de espionagem há médicos que vigiam constantemente a alimentação e o repouso dos alunos para os manter em forma, engenheiros especializados numa série de cursos que visam ensinar principalmente a demolição de tudo, de pontes, de edifícios, dos veículos terrestres aos aéreos, que também é preciso conhecer e conduzir. Aprendem a fotografar com perícia e a usar os meios de comunicação, a transmitir e descodificar mensagens criptografadas, ainda que existam presentemente máquinas poderosas, verdadeiros cérebros electrónicos para transmitir ou decifrar mensagens em segundos.
 
TEMA — FICHA CRIMINAL — O BAÚ DA MULHER TIGRE
Meter um cadáver num baú, inteiro ou esquartejado, é inconcebível, conhecido o espaço reduzido e a decomposição rápida do corpo. Fazer-se acompanhar do baú, é simplesmente assombroso! Todavia, Winnie Ruth Judd acompanhou os baús contendo as suas vítimas durante uma longa viagem pela América do Norte.
Na noite de 16 de Outubro de 1931, num apartamento da capital do Arizona, uma reunião amigável com Agnes Anne LeRoi e Hedvig Samuelson degenerou em violência física e Winnie matou a tiro as duas mulheres. A 18 do mesmo mês tomou o comboio em direcção a oeste, acompanhada de Carl Harris. Quando chegaram ao destino previsto e foram reclamar os baús, saia deles um cheiro pestilento e o empregado exigiu as chaves para que abrissem os baús, julgando tratar-se de contrabando de carne de veado. Sob o pretexto de irem buscar as chaves, desapareceram.
Mais tarde, presa “a mulher tigre” como foi apelidada, foi julgada e sentenciada à morte. Dez dias antes da execução o tribunal conclui que a senhora não estava no seu juízo e foi internada no hospital estadual.
Saiu em liberdade 40 anos depois… em 1971.
M. Constantino

Sem comentários:

Publicar um comentário