16 de fevereiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 47

EFEMÉRIDES – Dia 16 de Fevereiro
Desmond Cory (1928 – 2001)
Pseudónimo de Shaun Lloyd McCarthy que nasce em Lancing, Sussex, Inglaterra. Estuda na Steyning Grammar School e em St Peter's College, Oxford. Serve nos Royal Marines. Combina a carreira de escritor com a carreira académica de professor universitário em vários países Espanha, Suíça, Chipre, Qatar e Bahrein etc. Autor policiário cria os personagens Mr Dee, Johnny Fedora, Lindy Grey, John Dobie e MrPilgrim, escreve um total de 35 romances de mistério/detective e espionagem. Publica ainda 4 colectâneas de contos curtos, 1 peça de ficção científica para a rádio e 2 livros de mistério para jovens. O primeiro romance é Secret Ministry (1951) protagonizado por Johnny Fedora, seguido de Begin, Murderer, do mesmo ano, com Lindy Grey.
Em Portugal estão publicados:
Onda de Choque (1967), nº18 Colecção Espionagem, Dêagá
O Tesouro Nazi (1970), nº54 Colecção Espionagem, Dêagá
Os Mortos Vivos (1970), nº57 Colecção Espionagem, Dêagá



TEMA — FICÇÃO CIENTÍFICA – SUPERPOVOAÇÃO
Regista-se que o nosso globo terrestre tinha no ano de 1950 uma população de 2556000053 habitantes, cinquenta anos depois sobe para 6082966429. Nesta expectativa o crescimento indefinido da população é tema de preocupação/actividade por parte dos escritores de ficção científica. Os profetas da desgraça clamam que a fome é a ruína universal do meio ambiente, advogam que a população da terra não pode manter-se, sendo preciso reduzir o índice de natalidade, através de produtos químicos sem efeitos secundários ou outro procedimento social. Os imaginativos autores encontram sempre alternativas para conter a corrida célere dos cavaleiros do Apocalipse. É verdade que no conhecimento presente nenhum dos mundos do sistema solar é habitável, excepto a terra. Mas uma vez mais a ficção defende a implantação de órgãos para viver noutros mundos possíveis de albergar ou viver debaixo de células aí adaptadas, ou no subsolo, onde se estabeleceriam condições similares às da terra. Quimera naturalmente para a actualidade.
Enquanto este velho lugar de nascimento e sepultura puder suportar o futuro, e até quando, parece urgente encarar o problema, ou pelo menos indagar seriamente: para onde vamos?
M. Constantino

ANATOMIA DO CRIME — DESCONFIANÇA
Extracto do conto OS CEGOS de Luís Jardim, Brasil-1946
É a terrível suspeita que enche o pai estúpido de ódio provocado contra o infeliz.
Joaquim levantou a cabeça e olhou o cego Umbelino. Os seus ouvidos guardavam a expressão da mulher do tio. E na cabeça a expressão reproduzia-se como um eco de gota em gota; filho de gato é gatinho; filho de cego é ceguinho.
De súbito, sem se dominar, empurrado por uma força estranha, Joaquim pulou em cima de Umbelino, agarrando-o pelo pescoço. O cego estrebuchou com um berro medonho. O menino assombrou-se e abriu ao choro.
O velho Borges levantou-se de um pulo e gritou para o afilhado, dando-lhe murros nas costas.
— Atrevido dos diabos, larga esse desgraçado, Tu não me respeitas, não, condenado?
Apóstrofes terríveis soltam da boca do velho.
— Um homem que bate num cego é capaz de espancar Nosso Senhor! Deus me perdoe mas eu acabo por te excomungar, se não te mato.
O vaqueiro confessa então a sua desconfiança. Ele “malda que aquela marmota” não é seu filho. Porquê? Porque eu não sou cego e ele é…
O velho, porém, tem a noção das coisas.
— O Divino é grande! O Divino é grande! Tu lembras-te de teu pai, Joaquim?
— Não me lembro, não, padrinho. A mãe dizia-me que ele morreu quando eu tinha… coisa de um ano.
E se tu vives maldando que esse menino não é teu filho só porque é cego e tu não és, como é que tu não nasceste cotó, sendo teu pai aleijado de nascença?
Joaquim contudo não se rende. A obsessão pode mais do que o seu respeito pelo padrinho e tio Umbelino, sentindo que algo de terrível o ameaça, acabe de fugir, não sabe para onde; ele miserável, que não tem olhos para si como para os outros, apenas os olhos do instinto. Joaquim não se apieda. Põe o punha à cinta e cai o mundo. Onde o cego vá, ele o alcançará…

Sem comentários:

Publicar um comentário