6 de agosto de 2016

A NÃO PERDER




Fonte: Diário de Notícias


TEXTO PUBLICADO NO CALEIDOSCÓPIO 316 (Clicar)


TEMA — ESTUDOS DE LITERATURA POLICIÁRIA — DICK HASKINS, AUTOR E PERSONAGEM
Por M. Constantino

 
Fonte: Diário de Notícias 2/Mar/2009
 
Nascido em Lisboa em 1929, de nome António Andrade Albuquerque, estudou no liceu Passos Manuel, onde demonstrou a sua inclinação para a produção literária. Frequentou o curso de Medicina, que abandonou pela profusão de escritor. Entre contos e argumentos de aventuras, escreveu o romance “Sono de Morte” aprovado em 1955 pela editora Diário de Notícias. O passo decisivo para a consolidação profissional só se verifica em 1958, ano da publicação daquele livro e de “A Sétima Sombra”, cujo personagem principal é exactamente Dick Haskins — o pseudónimo do autor — um anglo português, descendente de um inglês e de uma portuguesa. Tem 1,80 metros de altura, cabelos pretos e olhos castanhos. Advogado e repórter chefe da secção de criminologia do jornal Times, é habitualmente de trato fácil mas mordaz e irónico, corajoso e de extrema bondade. Detective amador, tem muitos amigos na Scotland Yard — dos quais o principal é o inspector Robert Wells — uma eterna noiva em Kathy Oughton e uma secretária fiel em Patricia Arden.
Haskins, ou antes Albuquerque, passou a escrever dois ou três romances policiários anualmente. Sucessivamente “Porta para o Inferno”, “ O Isqueiro de Ouro”. A minha Missão é Matar”, “Espaço Vazio”, em 1959, o “Fio da Navalha” e “Premeditação” em 1960”, “Hora Negra” e “O Fim de Semana com a Morte” em 1961, “Obsessão” em 1962. “Quando a Manhã Chegar” e “O Último Degrau” em 1963, “ O Minuto 180” e “A Noite Antes do Fim” em 1964, “Suspense” em 1965, “O Jantar é às Oito”, “Clímax”, Psíquico”, “Labirinto” e “A Embaixadora” respectivamente em 1968, 1969, 1970, 1971 e 2000. Estes livros foram, e ainda o são, traduzidos e editados em cerca de 30 países.
O autor criou uma editora, tendo mantido durante dez anos cinco colecções mensais: policial, espionagem, ficção científica, romance e história. Editou igualmente uma antologia de contos policiais em dezoito volumes, nos quais publica não só diversos contos próprios como estrangeiros.
Produziu para a RTP um programa “Noite de Teatro” com a adaptação do seu livro “O Fim de Semana com a Morte”, cuja novela foi levada à tela numa produção internacional — Portugal, Espanha, Alemanha — protagonizada por António Vilar, dobrada posteriormente em diversos idiomas.
Para a RTP, com produção externa, produziu uma série de 12 filmes baseados na sua obra. Em nome próprio publicou dois romances “O Papa que Nunca Existiu” e “O Expresso de Berlim, ambos publicados em 2007.
Em Maio de 2008 foi-lhe atribuída a Medalha da Sociedade Portuguesa de Autores.

Albuquerque, meu Ilustre Amigo, aguardamos para prazer literário, a volta de Dick Haskins — o personagem e o autor.

M. C.






Sem comentários:

Enviar um comentário